Logo IAPUC

Dionisio Dias Carneiro

História

Como ele próprio dizia de si, Dionisio era um humanista cético. Cético porque reconhecia a sabedoria das palavras de Caetano Veloso, que ele tantas vezes dirigia aos seus interlocutores. “De perto, ninguém é normal.” Humanista porque gostava de gente, porque se interessava pelas pessoas. Sempre encontrava algo singular em alguém. O prazer que tinha de trocar ideias, de engajar os outros num debate, independentemente da idade ou experiência, era contagiante. Especialmente pela capacidade que tinha de fazer isso com leveza e humor.


Compre o livro "Dionísio Dias Carneiro, um humanista cético: uma história de formação de jovens economistas".


Clique aqui para ver o nosso acervo de artigos e matérias de Dionísio.